Manuscritos de computador ©
Categoria: Literatura

O gosto de escrever à mão e a lápis se impôs, ao que parece, como uma escolha definitiva. Decididamente não gosto de escrever direto no teclado. Se fosse me guiar pela razão, a opção inteligente seria o teclado: minha letra está cada vez pior e caminha a traços velozes rumo à ininteligibilidade. Mas não. Sigo fiel ao lápis. Temos, ele e eu, uma intimidade que não vai se deixar profanar pela vã tecnologia. Há uma razão para essa preferência – ou idiossincrasia: o meu modo de escrever é caótico, veloz, cheio de idas e vindas – escrevo, risco, reescrevo, faço enxertos, escrevo à margem do texto… Daí que preciso de inteira liberdade para tudo isso e essa liberdade quem me dá é a mobilidade física pela folha em branco – liberdade que a tela em branco não me dá, por estranho que pareça à primeira vista. Vantagens de escrever à mão: posso inserir uma palavra numa frase com a maior facilidade; posso anotar, em qualquer lugar da página, uma palavra que me ocorra usar; posso riscar uma palavra do texto e recuperá-la – ou não – depois etc. etc. etc. Alguém dirá que é possível fazer tudo isso na tela. É certo que sim, mas não com a mesma velocidade… E velocidade é tudo. Escrevo meio em transe e não posso ficar refém de nada que me distraia. O teclado me distrai, me dispersa. Mão e lápis têm uma íntima conexão – é como se as ideias tivessem um único ponto de convergência: a ponta do lápis. Já os dedos sobre o teclado lembram, por si, um processo de dispersão – os dedos espalhados figuram ideias igualmente espalhadas… Eu sou do lápis e do papel. É nele, o papel, que lavro, com obstinação diuturna, os canteirinhos de palavras com que procuro enfeitar as horas nuas.

 

© Nota de canapé: Subtítulo de uma antologia organizada pelo escritor Nelson de Oliveira, dedicada à geração 90.


(2)


    Saint Clair
    10 de fevereiro de 2012

    Muito bom. Gostei.


    Tarlei
    10 de fevereiro de 2012

    Saint Clair,
    muito bom que tenha gostado. Muito obrigado!
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress