Cronicamente inviável ©
Categoria: Cinema

Perguntado sobre o porquê de não se aventurar na prosa, o poeta Manoel de Barros respondeu: “Eu escrevo o rumor das palavras. Não tenho proporção para episódios”. Se me fosse perguntado o porquê de eu não me aventurar na prosa de ficção, responderia: “Escrevo o rumor da vida. Não tenho proporção para a invenção”. Sou colado demais à vida real. Não consigo transpor para a moldura da ficção os ruídos que capto da vida. A bem da verdade nem sofri a tentação do exercício na vereda da ficção, ciente de ser cronicamente inviável para o ofício. Acabei achando meu lugar perfeito no terreno baldio da crônica. De saída já me agrada sabê-la considerada gênero menor. É que o cronista não é de fazer gênero. A crônica é gênero sem fronteiras e goza o privilégio de transitar por todos os gêneros. É, assim, uma espécie de transgênero. Variada por excelência, nela tudo cabe. A crônica não faz distinção de assunto. Tudo é bem-vindo. E o cronista é esse beija-flor de vôo inconstante que pousa aqui e ali, atraído por tudo que traga promessa de mel. O cronista é um comentarista sempre disponível para o incessante desfile do espetáculo da vida. E seus comentários vêm vestidos com o traje do entretenimento. Pode ser um traje lúdico, lírico, anedótico, poético, irônico, metafísico, futurístico, anacrônico etc., etc., etc. O cronista é um estilista hábil em fazer qualquer traje cair muito bem na crônica. E como gosta o cronista de brincar com palavras!! O cronista é um brincador. / Brinca tão completamente / Que seu dom alegrador / Esconde a dor da gente.

© Nota de canapé: Filme dirigido por Sérgio Bianchi.


(2)


    Marineide Miranda s. Oliveira
    25 de outubro de 2014

    “Tudo é bem-vindo. E o cronista é esse beija-flor de vôo inconstante que pousa aqui e ali, atraído por tudo que traga promessa de mel. O cronista é um comentarista sempre disponível para o incessante desfile do espetáculo da vida. E seus comentários vêm vestidos com o traje do entretenimento. Pode ser um traje lírico, satírico, poético, irônico, metafísico, futurístico, anacrônico etc.” ————-Vero!
    Beijo com um carinho grandão, Tarlei!


    Tarlei
    25 de outubro de 2014

    Beijo grandão desse cronista menor, Mari!!






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress