A Rosa o que é de Rosa ©
Categoria: Literatura

Nonada. Barulho que se ouviu foi de um coração batendo descompassado, no galope da emoção. Coração de quem? Da minha amiga Rosa, moça prosa que resolveu trilhar as veredas abertas pelo Rosa. Decidida, lá foi ela percorrer o grande sertão, os campos gerais, o Vale do Urucuia. Lá foi ela navegar naquela água que não para, rio sem fim que  não cessa de minar do manancial inesgotável do Rosa… Digo e avalio: o que tem de ser tem muita força. Apois, não é que a moça Rosa acaba de se doutorar em Rosa? E presidindo o encontro da Rosa com o Rosa, quem? Uma flor de sobrenome Orquídea. Um encontro assim florido só podia dar em muita (p)rosa. Por modo que não dá pra perder essa conversa de ambos, os muitos. A moça Rosa foi atrás da matéria vertente que há em tudo e cada. E tudo e cada brota e rebrota. Mire veja: tudo é e não é… E de assim se ir, no descuido prosseguido do viver, chegou o dia de a Rosa receber o que é dela. Digo e repito: a moça Rosa, por artes e lutas que só ela, fez-se hoje doutora Rosa, doutora em Rosa. E assim que declarada doutora, pude ver um adejo de absoluta alegria roçando o rosto da moça Rosa. Que segue, toda prosa, agarrada no cangote da vida, no meio do mundo, no meio do redemunho. O Rosa? Ah, este vive na aragem do sagrado, absoluta estrela, laço do infinito! Viver… a moça sabe: viver é etcétera. É o que sói acontecer entre dois mistérios: o de antes de nascer; o de depois de desnascer. É o que eu digo, se for: vida é o que se dispõe no meio da travessia.

© Nota de canapé: Livro do filósofo, professor e ensaísta Benedito Nunes (1929 – 2011). Benedito Nunes figura entre os grandes estudiosos do Rosa.


(2)


    Hilda
    3 de outubro de 2014

    Tarlei,
    Você é lei, é rei no que faz. Um texto mais bonito que outro. Tu sabes quase tudo de mexer com a linguagem. E, mesmo assim, és modesto.
    Navega, amigo, nas águas desse mar oceânico que acaricia as costas brasileiras. E vai mais além: voa no infinito azul, que teu lugar é entre estrelas.


    Tarlei
    4 de outubro de 2014

    Caríssima Profª Hilda,
    você é mestra soberana e sabe manejar como ninguém a linguagem do afeto. Muito obrigado!
    Meu lugar é entre estrelas? Não tenho a menor dúvida: vivo cercado delas e iluminado por elas. Você, uma das mais brilhantes da minha constelação pessoal.
    Bjs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress