O que vier eu traço ©
Categoria: Música

Para meu próprio espanto, tenho me revelado um escrevente crônico do tipo “o que vier eu traço”. Não fosse isso e eu não estaria, como estou, no limiar dos quinhentos textos – e falo somente dos textos que venho botando aqui no ninho do blog. Tamanho espanto quase me faz soltar um “Me segura que eu vou dar um troço”. Em vez, dada a grafomania desenfreada, solto um “Não me segura que eu vou dar um traço”. É claro que, traçando assim sem rumo, pode-se facilmente presumir a qualidade dos troços que mando para o papel ou para a tela. Torço para que o raro leitor não faça troça do meu traçado corriqueiro. Saiba o raro leitor que, embora o corriqueiro do traço, meu empenho é não escrever qualquer troço. Os meus traços se abastecem de qualquer coisa, mas eu gosto de caprichar na feição de cada traço. Apesar da intenção de capricho, sinto que o que escrevo já não deixa qualquer traço de surpresa ou curiosidade em quem me leia, tão repetitivo me faço. Nem por isso pretendo recolher o traço. Minha sina é me perder em mal traçadas linhas. De traço em traço, vou enfileirando troços nas margens do papel. E os troços já chegam à marca dos quinhentos. Minha intenção é não ir além dessa marca. Resta saber se, escrevente crônico, vou conseguir interromper o traço. Em não conseguindo, posso interromper-lhe a divulgação. É o que pretendo fazer. Depois de tanto traçar a esmo, talvez seja chegada a hora de preencher com traços de silêncio os troços que me acometem. O raro leitor agradecerá – tenho certeza!

© Nota de canapé: Parceria de Alvaiade e Zé Maria.


(6)


    marienide Mirandai
    1 de setembro de 2014

    Tarlei, querido, nada de parar!!! Gosto das suas bem traçadas linhas!!! Lembrei das cartas de antigamente: Escrevo-lhe essa linhas somente para dizer-lhe o quanto estou com saudades e perguntar-lhe se todos vão bem. Espero que sim! (rs)… e por aí… íamos!!! (rsrsrsrs).
    Te adoro!!!
    Beijos,
    Mari


    Hilda
    1 de setembro de 2014

    Querido Tarlei,
    Se parares, vais ter uma constipação geral, pois viciado em droga(ria) não pode parar. Cada letra é um re(médio) para expressar o teu mundo interior, tua captação do exterior em tua pá(lavra) poética pró ética.
    Caso pares (ou paires sobre nós) terás um “quase nada” de leitores re(clamando) a presença de “quase tudo”.
    Grande e GRANDE saudoso abraço.


    Tarlei
    2 de setembro de 2014

    Querida mestra,
    Minha intenção é parar de publicar, não de escrever… Palavrar é minha sina — desconfio! E será uma parada temporária, com a promessa de voltar em 2016 de casa (cara) nova. É um quase nada de tempo de cujo lapso nenhum leitor reclamará — imagino!
    Obrigadíssimo pelas palavras tão animadoras!!
    Abs,
    Tarlei


    Tarlei
    2 de setembro de 2014

    Mari, querida, será uma parada temporária, com o propósito de me reabastecer. Eu e minha meia dúzia de prezadíssimos leitores fiéis precisamos de um descanso. Gabriel Perissé diz que escrever é transbordar. E só o que está cheio transborda. Já me derramei demais.
    Bjs,
    Tarlei


    Nic Omedes
    5 de setembro de 2014

    Abençoados os que têm a sina de PALAVRAR, Tarlei! Felizmente! Abrçs da Nic!Com Deus!


    Tarlei
    8 de setembro de 2014

    Abensonhado dom, Nic! Não sei se o tenho. Sei que o busco incansável. Obrigado pelo comentário!
    Com Deus!
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress