Aula ©
Categoria: Literatura

Na caixa de mensagem, um convite e um presente. O convite chega transbordante do que mais singulariza a querida mestra: a paixão pelo ofício de repartir conhecimento. Em comemoração aos 50 anos de magistério, a sempre mestra convida os ex-alunos – que se tornaram alunamigos pra vida inteira – para uma aula especial. No convite não faltam palavras carregadas da vibração amorosa que é marca da professora, verdade que se pode ler facilmente nestes pequenos trechos do convite: “Transcorrem os anos, e teu nome, tua fisionomia, tua singularidade, no meio de milhares (sem exagero) de estudantes que passaram em minha vida, permanece além de minha ‘caixa de entrada’ no computador. (…) Este é um e-mail convite para que reserves parte da tua noite de 9 de maio deste ano para estarmos juntos, de novo, se isso te der prazer. (…) Com a ansiedade de quem espera um filho que vai nascer, planejo nosso encontro e reforço: comparece. Beijos fraternos, Hilda”. Convite irrecusável por todos os motivos e mais este: a aula seria no dia do meu aniversário – um presente e tanto para este sempre aprendiz. Confirmei minha presença nestes termos: “Como não estar presente numa aula áurea [assim a professora a batizou], se não o fossem todas as suas aulas? Não perco ocasião de colher suas lições de vida. Você é uma fogueira que não cessa de pôr chama na sua paixão de ensinar, de se repartir. Que lindo! Que convite lindo!”. Outros tantos alunamigos (mais de cem) fizeram o mesmo.

E a aula aconteceu. Um auditório da Universidade de Brasília, instituição em que a professora ocupou várias cátedras, foi o local escolhido. Devo dizer que a escolha do título (Aula Áurea) foi duplamente acertada: primeiro porque as aulas da professora são de fato preciosas; depois porque também, e principalmente, são aulas libertadoras – como o foi, em sentido todo denotativo, a Lei Áurea que hoje se comemora. No convite está dito: “Não será uma aula de pedagogia; será, sim, a pedagogização de uma aula de português-leitura-literatura. De tudo um pouco”. O tema que perpassou toda a aula foi “maternidade”. Escolha perfeita. E por conta dessa escolha, até ousei sugerir um outro batismo para a aula, que se somaria ao título escolhido: Aula Mater. Ali estava, mais uma vez, a mãe de tantos filhos intelectuais (entre os quais, muitos mestres e doutores) se repartindo generosa naquele desdobrar-se próprio das mães. Que aula! Aula regada a alegria, reencontros, mil abraços, vastas emoções… Terminou, e não seria pra menos, aplaudida de pé. Minhas palavras não dão conta de dizer o tanto que a professora Hilda é. Só sei dizer o quanto sou agradecido a ela. Então digo por mim e por todos: muito obrigado, professora Hilda!

© Nota de canapé: Um dos livros seminais de Roland Barthes (1915-1980).


(10)


    Hilda
    13 de maio de 2014

    sem

    palavras!


    Tarlei
    13 de maio de 2014

    Querida mestra,
    todas as suas palavras, essenciais sempre, foram ditas na sua aula mais que especial. Você não precisa dizer mais nada.
    Bjs,
    Tarlei


    Rosa Amélia
    13 de maio de 2014

    Parabéns, Tarlei. Lindo o texto, lindo você. Abraço.


    Andréa Bueno
    15 de maio de 2014

    Lindo texto…Parabéns aos dois: professora e aluno!


    Tânia Gomes
    16 de maio de 2014

    Tarlei, bom dia!
    Concordo com você, nas linhas e entrelinhas de suas palavras.
    A áurea aula da professora Hilda ecoará para sempre em nossas vidas.
    Obrigada, professora, por tudo!
    Beijão no coração de todos os que juntamente comigo se fizeram presentes naquela noite.
    Tânia Gomes


    Tarlei
    16 de maio de 2014

    Obrigado pelo comentário, Tânia!
    A professora tem esse dom: tudo que ela toca — brilha. E o que digo foi brilhantemente confirmado na aula áurea.
    Abs,
    Tarlei


    Tarlei
    16 de maio de 2014

    Obrigado, Andréa, por mim e pela professora! A aula, sim, foi linda — e mágica…
    Abs,
    Tarlei


    Tarlei
    16 de maio de 2014

    Obrigado, linda Rosa, sempre geneRosa!!
    Bjs,
    Tarlei


    Maria Lourdes de Lima Rosa
    23 de maio de 2014

    Muito bom teu texto, querido Tarlei. Sempre tens as palavras certas, organizadas de forma exata, para um momento especial… Sim! A Professora Hilda é muito mais que uma Mestra. Sabe ser amiga, companheira, orientadora, sonhadora, idealista… A vocês dois, meu carinho. Bjo.


    Tarlei
    23 de maio de 2014

    Querida Lourdes,
    que comentário lindo! Eu e a professora agradecemos o carinho. Para além de tudo que a professora Hilda me ensinou, foi por ela que cheguei a outras tantas pessoas mais que especiais. Você, uma delas.
    Bjs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress