Bilhete ©
Categoria: Música

Com a memória em queda livre, vivo à base de bilhetinhos. É bilhete para tudo o que seja passível de esquecimento – e quase tudo é. Bilhete para lembrar pagamento de contas e para não esquecer de qualquer providência diária (telefonemas, compras etc) são os mais comuns. Tem também bilhetinhos com possíveis títulos de posts. Ou o bilhete ou o esquecimento. Faço bilhetinho até mesmo para me lembrar de algum livro que queira comprar. Por aí se pode medir a quantas anda minha desmemória. Se me passa uma idéia pela cabeça (às vezes acontece), ilusão pensar que na hora de escrever vou me lembrar. Como já não tenho mais essa ilusão, anoto tudo. O complicado é quando a idéia surge enquanto estou caminhando de volta pra casa – caminhadas, como se sabe, oxigenam o cérebro e é bastante freqüente as idéias surgirem durante uma caminhada. Se é uma idéia só, não há muito problema: repito-a até chegar em casa e ir correndo anotá-la. Sendo mais de uma idéia, a coisa já complica um pouco mais, ainda que o processo continue o mesmo: repetir tudo até chegar em casa, morrendo de medo de uma idéia se perder no processo de repetição. E o medo não é infundado: já me aconteceu de alguma idéia evaporar-se entre uma repetição e outra. Lembro que esqueci, mas não lembro o que esqueci. Talvez tudo isso seja potencializado pelo próprio medo de esquecer. Embora traga sempre papel e caneta à mão, acho um pouco degradante ter de parar em plena caminhada para anotar uma ideia. A essa altura, a pergunta que não quer calar: tenho salvação? Pense bem o raro leitor no que (não) vai responder.

© Nota de canapé: Parceria de Ivan Lins e Vítor Martins. Fafá de Belém gravou com muito sucesso.


(2)


    Angela Delgado
    7 de novembro de 2013

    Meu médico me receitou Vicog para melhorar a memória e o médico de meu irmão fez o mesmo. Converse com seu médico.
    Um abraço.


    Tarlei
    9 de novembro de 2013

    Angela,
    ainda convivo bem com os meus esquecimentos. Não cogito, por enquanto, nem médico nem medicamentos — e perdoe a rima involuntária. De todo modo, obrigado pela dica. O problema será, daqui a um tempo, me lembrar que você me deu esta dica…
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress