O sorriso do caos ©
Categoria: Literatura

Sou um pouquinho atrapalhado. Além de um pouquinho atrapalhado, agora ando desmemoriado. Antes de botar o blog na rua, me obriguei a um enorme esforço de organização para não correr o risco de publicar o mesmo conteúdo mais de uma vez. Sem uma prévia organização isso seria bastante plausível já que os escritos se multiplicam com a velocidade das metástases. Quanto à memória, possível aliada, essa só guarda uns fiozinhos de tudo que teço. Confrontado com o sorriso do caos, tive um princípio de pânico alimentado pela certeza de que meu destino seria me perder triunfalmente em meio a tantos escritos. Graças à natureza búdica que venho cultivando, pensei: “Calma, Tarlei! Raciocine um pouco, ainda que isso lhe pareça impossível.” A bordo da calma, tracei o seguinte fluxo que venho seguindo à risca:

a) tudo que escrevo está devidamente arquivado por ordem de ano e de data;
b) se acho que o que escrevi poderá vir pro
blog, copio o arquivo em outra pasta (textos a publicar – em revisão) e acrescento um sinal no nome do arquivo original;
c) uma vez revisado, transfiro o arquivo para outra pasta (textos a publicar – revisados);
d) uma vez publicado, dá-se a transferência final do arquivo para a última pasta (textos publicados).

Apesar da aparente confusão do fluxo que estabeleci, fico seguro de que assim eu não me perco. Agora conclua o raro leitor se, com tudo isso, posso me considerar uma pessoa normal. Tá certíssimo o Caetano: “De perto ninguém é normal”.

© Nota de canapé: Livro de ensaios de Marco Lucchesi, dono de uma cultura de tal modo ciclópica que, sendo ele um jovem senhor, chega a espantar.


(0)





© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress