Pra ninguém ©
Categoria: Música

Fico pensando: se eu, que gosto tanto de ler, não leio tudo que gosto, imagine quem não tem o hábito da leitura?! Isso só reforça a certeza de que eu e uma legião não somos lidos. E tenho de me conformar com essa certeza pela razão simples de que eu, leitor crônico, deixo órfãs de mim páginas e mais páginas que mereceriam minha atenção. E se assim é com textos que merecem atenção, o que sobra para os textos bordados com a mais consumada das desimportâncias? Não, não me queixo. Isso de merecer atenção não alcança o que escrevo, o que só aumenta meu espanto diante da fidelidade dos meus cinco leitores. Diz-se que a Filosofia é uma ciência com a qual e sem a qual tudo continua tal qual. Digo o mesmo em relação ao que escrevo. Porque são textos feitos para o esquecimento. E se o destino é o esquecimento, ler para quê? Essa certeza não me desanima de continuar bordando na tela as ordinariedades em que sou especialista. Não me importo se escrevo pra ninguém. E, por favor, não leia nesse “pra ninguém” qualquer sinal de ingratidão aos meus queridos e raros leitores. Esses não contam porque me lêem a soldo da amizade. Estou falando da leitura unicamente interessada no texto. Esse tipo de leitor, não tenho nem terei. E isso não tem a menor importância. Com ou sem leitores, seguirei no meu ofício de “encher de vãs palavras muitas páginas” (Caetano Veloso) e de mais ninharias o meu ninho povoado de nonadas. Escusas.

© Nota de canapé: Canção do Caetano Veloso.


(2)


    Angela Delgado
    3 de julho de 2013

    Tarlei querido,
    Este é um dilema compartilhado por mim: querer ler muito. Daí, estou sempre aqui, e nem é pela amizade, pois, infelizmente, não nos conhecemos. É pela graça e pelo valor dos seus textos, que não são mais lidos porque, hoje em dia, a vida é corrida para um bocado de gente, pode crer. E isso está tirando o hábito de leitura do pessoal. Tenho uma pena danada de quem não lê… Mas escrever é uma vontade que dá e não passa. Mime-se e continue a “pintar e bordar”, para o nosso deleite exclusivo (rs).
    Um abraço de sua “quinta” e feliz leitora.


    Tarlei
    3 de julho de 2013

    Angela querida,
    quanta generosidade! Fico quase sem palavras. Muito obrigado é muito pouco.
    Quinta leitora? Não. Campeã absoluta de comentários, mas não apenas por isso, você na verdade se tornou minha leitora número 1.
    Bjs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress