Divã ©
Categoria: Literatura

“Onde eu me sento? Aqui? Obrigado! Ahn?! Falar? Não gosto de falar. Não tenho nada pra falar. O que tem de errado comigo? Vim aqui para não saber. Subscrevo os versos de Cazuza: Eu vou pagar a conta do analista pra nunca mais ter que saber quem eu sou. O que vim fazer? Nada. Meu Deus, será que sempre é preciso fazer alguma coisa? Poderia dizer que vim cultivar o meu silêncio. Tenho gosto em contrariar. Assim: sua profissão é ouvir. A minha é calar. A quem vive da escuta, ofereço o silêncio. A quem já não agüenta mais me ouvir, falo sem parar. Para quem falo? Não importa. O meu problema? É não ter problema. E isso é um baita problema. Como resolvê-lo? Ando feliz demais, e isso me preocupa. Ando rindo demais, o que lança dúvidas sobre a minha sanidade. Ando bem-humorado demais, e não são poucos os amigos que perdem a paciência comigo. Queria não achar tanta graça na vida. Queria não ficar feliz por qualquer acontecimento ordinário. Vai bem uma certa angústia metafísica, um certo descontentamento de viver – sei lá! O que não dá é pra ficar desfilando as feições cândidas por aí como se a vida me sorrisse sempre. Desculpe tomar o seu tempo com a minha falta de problema. O que eu preciso? De um problema pra me distrair de mim mesmo. É pedir muito? Acabou? Ah, que bom! Na próxima sessão falo menos. Prometo! Até lá!”.

© Nota de canapé: Sucesso da escritora Martha Medeiros no papel (não li), no palco (não vi), na tela do cinema (adorei) e da TV (vi pouco e gostei do pouco que vi).


(2)


    Angela Delgado
    10 de junho de 2013

    Bom-dia, Tarlei!
    Viver e não ter a vergonha de ser feliz é o conselho do Gonzaguinha, lembra? Apesar de que, às vezes ou principalmente depois de ler o jornal e me revoltar com filhas que matam suas mães para receberem seguro de vida, pais que abusam de suas filhas, petistas condenados e legislando etc., me dá um enorme desânimo…
    Mas o dom de se feliz é inato, meu querido, e é contagiante.
    Sou uma pessoa fácil de se feliz, mas, infelizmente, não tanto quanto você. Que você seja sempre feliz!


    Tarlei
    10 de junho de 2013

    Minha querida Angela,
    fico feliz com a sua reaparição.
    Sim, tenho acesso fácil à rota dessa tal felicidade. Agradeço sempre.
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress