Quem ri por último ri Millôr ©
Categoria: Literatura

(PSiu: Hoje faz um ano que Millôr se foi)

Millôr Fernandes dizia que todo homem nasce original e morre plágio. Subscrevendo-o por inteiro, acrescento que o homem não só morre plágio, mas vive plágio. Falo apenas por mim, mas esse é o tipo de coisa em que UM é igual a TODOS. Consciente de que deixei de ser original logo ao primeiro choro, cumpro a sina de ser cópia e de copiar o mais que posso. Hoje deu vontade de copiar umas frases do Millôr – e as copiarei sem aspas, como se minhas fossem. Cheguei, enfim, à idade da razão, aquela que nos permite fazer as maiores besteiras sem ficar preocupado. Razão devia servir só pra isso: pra nos dar razão. O que mais esperar do único animal que ri e, rindo, mostra o animal que é? Em certo momento ficou evidente que o homem evoluiu do macaco. Como é evidente, agora, que o homem está a caminho da sua ancestralidade primeva. Pareço pessimista? Pode ser. O pessimista é o único que está preparado para ser otimista quando seu pessimismo se confirma. Dito assim, sugiro que o mundo se divide entre os que dizem sim e os que dizem fim. Não, o mundo se divide entre os que encontram e os que nem sabe onde puseram. Estou no segundo time. Não dá pra decidir se a divisão está correta pela simples razão de que um rato não pode ser juiz na partilha de um queijo. Um rato faz qualquer coisa por um queijo. Muito mais faz um homem por dinheiro. O que o dinheiro faz pelo homem não é nada em comparação com o que homem faz por ele – ou por qualquer outra tentação. Aliás, não devemos nunca resistir às tentações: elas podem não voltar. Ah, como falo! E as pessoas que falam muito, mentem sempre, porque acabam esgotando seu estoque de verdades. Não tem problema. Eu jamais digo uma mentira que não possa provar. A diferença entre o mentiroso e a galinha é que o mentiroso cacareja mas não bota o ovo. Boto fé. E aproveito para botar o ponto final neste post!

© Nota de canapé: Título de uma ótima crônica do Antônio Prata. O trocadilho é perfeito, só não é muito preciso. É que o humor do Millôr é mais de fazer pensar do que de fazer rir. Mas quem é que se interessa por precisão?


(2)


    Angela Delgado
    28 de março de 2013

    Obrigada pelo riso logo cedo.
    Um ótimo final de semana, com ou sem chocolate.


    Tarlei
    1 de abril de 2013

    Se o texto valeu um riso, o Millôr agradece.
    O fim de semana foi ótimo, mesmo sem chocolate.
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress