Egotrip ©
Categoria: Música

Tudo começou quando uma amiga desferiu um cândido “Como será que Narciso se manifestará hoje?”. Logo em seguida outra amiga desferiu um nada cândido “Você fala demais de você mesmo. Cansei!”. Aí pensei: será? Assimilei os golpes e desde então venho tratando de brincar em cima do suposto narcisismo que as duas me atribuem. Eu presto muita desatenção no que elas dizem. Se eu fosse narcisista, subscreveria por inteiro o que pensa Oscar Wilde. Ele diz que o amor a si mesmo é o único com chance de durar a vida inteira. O amor que tenho por mim é um amor que se funda na compaixão. Não é amor “porque”. É amor “apesar de”. É sentimento que se afina com o que diz Santo Agostinho: “A medida do amor é amar sem medida”. Reconheço que faço da minha vida miúda o fio de quase tudo que escrevo. Até onde consigo observar, nada do que digo de mim é comandado pela intenção de me enaltecer, pela razão óbvia de que nada tenho de enaltecível. O mais que faço é ressaltar minha consumada desimportância. Sabendo que essas amigas (e sabe-se lá quem mais) enxergam rompantes de narcisismo em mim, e sendo eu um camaleão esperto, me apraz simular arroubos de egotrip, só pelo prazer de esconder minha face verdadeira. Qual? A de Narciso, claro – que não. O certo é que me divirto. E quanto a falar tanto do miúdo chão da minha vida, respondo com Manoel de Barros: “Não tenho forças para desencostar-me”. E assim segue minha vida de Narciso às avessas. Vai daí, dia desses, detalhando para a amiga (a do comentário nada cândido) algumas idéias para um livro a caminho, falei da intenção de o livro ter uma seção que eu chamaria de Quase egotrip. Ela rebateu com um “Não entendi” risonho e sem disfarçar um quê de divertido deboche. Esclareceu em seguida que não entendia a razão do “quase”. E disse com todas as letras que Egotrip deveria ser o título geral de todos os escritos. Acredita que nossa amizade se estreitou mais ainda depois desse comentário? Tenho de confessar: juro que eu não presto.

© Nota de canapé: Sucesso da banda Blitz.


(0)





© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress