A seta e o alvo ©
Categoria: Música

Resolvi comprar um smartphone. Não, não é nenhum iPhone. É só um Nokia 500. Mais um item candidato a não sair da embalagem. Foi fechar o pedido e me arrepender da compra. Logo me lembrei que o quesito portabilidade não é o forte dos smartphones. E se eu tenho preguiça de portar o celular normal, que posso trazer atado à cintura (não é elegante, eu sei), o que dizer de um aparelho que vejo quase sempre levado em mãos pelos donos? A compra do smartphone, embora o arrependimento, deveu-se a uma decisão de cunho prático. Fiquei interessado na solução de segurança para smartphone oferecida pelo Banco de que sou cliente. Sou muito preocupado com esses lances de clonagem etc. Não uso o internet banking em casa. Vai daí comprei o smartphone sem verificar se o aparelho é compatível com a solução que o Banco oferece – o que ainda não fiz nem farei. Vai daí que me arrependi, sendo ou não o aparelho compatível com a solução do Banco. Pra começar, não gosto do nome smartphone. Também não gosto de “celular”. Acho de uma impropriedade lingüística gritante. Lá em Portugal optaram por telemóvel. Não é a solução lingüística perfeita mas é incomparavelmente superior à nossa. Para mim, lingüista amador e atrevido, entendo que a dupla “telefone móvel” fecharia a questão. A solução peca por se desdobrar em duas palavras. Não me ocorre um jeito de juntar “falar à distância e em movimento” numa única palavra. Só me ocorre esta certeza: a de que minha seta estará sempre apontando para o alvo errado.

© Nota de canapé: Canção do Paulinho Moska.


(2)


    Angela Delgado
    7 de dezembro de 2012

    Não me interessa se é smartphone, iphone, telemóvel, telefone móvel, móvil ou mobile.
    O que quero é o número dele… (rs)


    Tarlei
    7 de dezembro de 2012

    O número seguirá em privado, Angela, com todo prazer. Preciso advertir que não sou dos mais plugados e nem sempre estou de posse do meu aparelho móvel. Se eu acaso não atender, não se apresse em contabilizar uma indelicadeza em meu desfavor.
    Abs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress