A bagagem do viajante ©
Categoria: Literatura

Viajando em média uma vez por mês há quase 13 anos, deveria estar escolado em fazer mala, ainda mais sendo eu um viajante que prima pela bagagem mínima. Mesmo com esses requisitos favoráveis (longa experiência e pequena bagagem), acidentes acontecem. Sou forçado a confessar que os incidentes talvez se devam à preguiça incontornável que tenho para a tarefa. E a preguiça se justifica porque é muita coisa que não posso esquecer nesse processo – e que vai além de apenas fazer a mala. Enumero ao acaso: as passagens, a identidade, o remédio para pressão, a chave da casa de minha mãe, algum item extra (um presente, uma encomenda de minha mãe, um documento etc.), fechar a janela, desprogramar o despertador (sem essa providência, o rádio ficará ligado por 2 horas, todos os dias), desligar o rádio… Distraído como sou, tenho de me obrigar a um exercício de atenção que me cansa antes, durante e depois. Da última vez esqueci a identidade, o crachá (por alguma razão, raciocinei que não precisaria pôr o crachá na bagagem) e a sacolinha de livros – os três livros da vez. Quando dei pela falta dos livros já tinha deixado a bagagem na recepção da empresa (viajo depois da jornada) e estava a caminho do café e da leitura. Foi um choque. Apesar disso, mantive inalteradas as feições cândidas. O que me salvou foi ter posto na mochila duas edições do jornal Rascunho. Com isso, garanti minha ração diária de leitura. Em último caso, eu poderia voltar em casa – como, aliás, voltei na hora do almoço para buscar identidade e crachá –, mas isso iria consumir quase todo o tempo destinado à leitura. Pensando nisso, e dada a possibilidade de um acidente assim se repetir, vou manter três livros na empresa. Deus me livre de ficar sem ler na hora sagrada de toda manhã!

© Nota de canapé: Livro de crônicas de José Saramago (1922 – 2010).


(2)


    Angela Delgado
    14 de novembro de 2012

    Você se parece comigo. Não na preguiça, mas na absoluta necessidade de ter um livro por perto.
    Um beijo.


    katia simoes fletcher
    19 de novembro de 2012

    Adorei a ração diária de leitura…Só você mesmo!!!






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress