Tocando em frente ©
Categoria: Música

Machado de Assis – o mulato genial, o lorde dos trópicos – dizia ter “tédio à controvérsia”. No seu tempo, Machado não tinha a unanimidade crítica de que hoje desfruta. Foi detratado por mais de um crítico. A nenhum respondeu, e não, decerto, por falta de autoridade intelectual, mas pelo “tédio à controvérsia”. O natural das relações é estarem crivadas de divergências. Acho uma perda de tempo o pugilato de opiniões. Deve ser por isso que sou um horror em matéria de interações orais. Gosto da conversação (uma arte em extinção!), mas não gosto do debate, da discussão… Não gosto de gastar inutilmente a pouca inteligência que tenho. Digo isso porque há um culto à fofoca, à maledicência, à indiscrição, que acho intolerável. E é grande o número de pessoas sempre prontas a agredir, a ofender, a falar mal, a cometer uma inconfidência. E se tudo isso puder ganhar a onipresença das ondas da TV, tanto melhor. Se eu não gosto de algo ou alguém, o menos que faço é alardear. Fico quieto. Não gosto de falar mal, e não por bom-mocismo, mas porque mobilizar vibrações negativas faz mal à gente mesmo – releve o óbvio ululante. Por mais que haja divergências entre mim e o outro, o que virá daí é um cordial silêncio. Só dou atenção ao que tem sintonia comigo. O mais descarto. Não me interessa. E vou tocando em frente.

© Nota de canapé: Parceria de Almir Sater e Renato Teixeira que toca fundo na alma e pode tocar aqui na sua tela.


(5)


    Julia Simão Cavalcante
    5 de março de 2012

    Excelente e valioso, mas um tanto auto-contraditório.


    Tarlei
    5 de março de 2012

    Oi, Júlia!
    Confesso que reli o post e não dei por nenhuma contradição. Não tem problema. Aceito a observação. Se é da minha natureza incidir em contradições, é bem possível que eu fique cego para elas. De novo: não tem problema. Talvez tudo seja reflexo de escrever meio às cegas, às pressas, do que dou notícia no post “Nem pensar” (se puder, leia). Não me incomoda ser contraditório. Nelson Rodrigues me absolve: “A coerência é, no mínimo, suspeita”. E fico feliz que tenha enxergado no post algo “excelente e valioso”. Muita generosidade sua, a que agradeço humilde.
    Obrigado pela visita e pelo comentário!
    Abs,
    Tarlei


    Edna Freitass
    5 de março de 2012

    Tarlei,
    Nem vou dizer que passei por aqui novamente. E que adorei seu texto.
    Abraços literários.
    Inté.
    Edna


    Tarlei
    6 de março de 2012

    Edna,
    nem vou dizer o quanto me honra a sua visita. E nem o quanto você é generosa. Só me resta agradecer pela visita e pela generosidade.
    Abs,
    Tarlei


    Angela Delgado
    14 de setembro de 2012

    Tarlei,
    Gostei muitíssimo do que escreveu. Pura sabedoria!
    Beijo.






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress