A cura ©
Categoria: Televisão

Preciso urgente de algum remédio que me cure de ser eu mesmo; que me cure de ser derramado, desassossegado, obsessivo – para certas coisas; que me cure de ser preguiçoso, indolente – para outras tantas coisas; que me cure de embarcar numa ideia (como já estou fazendo) e seguir desgovernado até onde aguentar minha resistência; que me cure da absurda indisciplina discente – nunca consegui estudar direito para nada; que me cure de ser grande (Adélia Prado), embora eu não passe de um homenino; que me cure de ser bonzinho, educadinho, inteligentezinho, engraçadinho, etcéterazinho; que me cure da tentação de pôr no papel (e na tela) minhas ninharias; que me cure da vaidade de achar que merecem leitura as ninharias que abrigo aqui nesse imenso nadifúndio; que me cure da vontade de inscrever-me num concurso de crônicas; que me cure de fazer da atenção amiga o divã onde despejo problemas reais e imaginários e busco consolo para o desatino de viver… Só não quero nada que me cure da loucura sã que é essa doida vida. Ave!

© Nota de canapé: Recente minissérie de TV, além de título de uma canção do Lulu Santos.


(6)


    Edna Freitass
    24 de janeiro de 2012

    tarlei, adorei sua GRANDE oração de cura. é mesmo assim que podemos rezar. simples assim. e após, ELE, nosso criador pode nos fazer ver que SOMOS maiores do que pensamos ser. ou não. que nossas aparentes fraquezas SÃO nossa fortaleza. beijos literários procê.


    Tarlei
    24 de janeiro de 2012

    Amiga Edna,
    recebo com humildade suas palavras — palavras vindas de Fortaleza e de uma fortaleza.
    Abs,
    Tarlei


    Eudes Arduini
    24 de janeiro de 2012

    Como Edna, adorei!


    Tarlei
    24 de janeiro de 2012

    Ah, que Nossa Senhora da Humildade não me abandone nunca!
    Abs,
    Tarlei


    Angela Oliveira
    24 de janeiro de 2012

    Tarlei, querido, não queria te chatear com o comentário q deixei aqui neste blog chiquerésimo outro dia… De todo modo, no nadifúndio que é a internet, vc é tudo! (E no tudofúndio também). Sua inteligência me acalanta! Só não sei se é possível (a mim, pelo menos) curar-se de fazer da atenção amiga o divã onde se despejam problemas reais e imaginários e se busca consolo… Esta parte é maravilhosa e ainda tem mais: é de graça…rs


    Tarlei
    25 de janeiro de 2012

    Querida Ângela,
    Ficar chateado com você? Nunquinha de núncaras!
    Quanto a querer me curar de incomodar a atenção amiga, foi só um jeito de me desculpar pelo tanto de atenção que roubo das minhas vítimas preferenciais. Porque, de verdade, nunca vou abrir mão do divã da amizade.
    Bjs,
    Tarlei






© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress