Pessoa ©
Categoria: Música

Há quem pense que só os extrovertidos chamam a atenção. Tenho exemplos de pessoas que chamam a atenção justo pelo comportamento oposto. É o caso do meu cunhado, um exemplo de discrição. Ele chama a atenção, ainda, pela atenção que dedica a todos: amigos, irmãos, pais, esposa, filhas, cunhados, sobrinhos, sogra… Tem sempre uma gentileza na manga, uma palavra apaziguadora, um trato cuidadoso… Embora discreto, ele não deixa de ser descontraído, não perde ocasião de repartir alegria. Aceita com resignação o que o destino impõe e não se esquece de agradecer os agrados que a vida oferece. É a mais calma das pessoas que conheço. Pode até se afligir com os desacertos próprios da vida de todos nós, mas não deixa que a aflição tome o lugar da calma. Com a sabedoria de quem acredita que devagar se vai ao longe, ao lado da minha irmã vem desenhando uma bela história familiar.

Hoje é o aniversário do meu cunhado e meu desejo é que ele siga distribuindo gentilezas por onde passe e que saúde, alegria e tranqüilidade continuem sempre presentes na sua vida. Apesar de ser ele o aniversariante, os presenteados somos os que podemos partilhar da sua presença serena, descontraída, de bem com a vida.

Parabéns para ele!

© Nota de canapé: Uma canção de Dalto e Cláudio Rabello.

(2)


 




Verde que te quero ver ©
Categoria: Música

 

Estamos vivendo a seca na sua máxima plenitude. Mais de dois meses sem chuvas, umidade baixíssima, horizonte enfumaçado, verde quase nenhum – o típico clima de deserto e as chuvas anunciadas apenas para meados de setembro. Até lá o clima deve piorar bastante. A travessia dessa longa seca regala-nos, ali por outubro/novembro, com o ressurgimento do verde em toda a sua gala vegetal. É um espetáculo monumental. Chego a dizer que o verde é a maior das catedrais de Brasília – um verde que agora está em trajes cinza, fosco. Enquanto padecemos a ausência do verde, socorremo-nos dos magistrais ipês (branco, amarelo e roxo) e das paineiras que explodem em cores tão vivas que mais parecem um desaforo (muito bem-vindo!) da natureza… Há quem estranhe e sofra bastante com as inclemências próprias de um clima de deserto. Eu, nem tanto. Tenho apenas ligeiras dores de cabeça e alguma tontura. O certo é que os candangos todos temos de nos conformar com uma espécie de hibernação visual, tão desoladora fica a paisagem. Ah, mas quando caem as primeiras águas e o verde começa a impor sua majestade à paisagem, celebramos todos a volta daquele que foi apenas para poder voltar, de novo e sempre!! Banhados de verde, seguimos renovados até à próxima seca.

 

© Nota de canapé: Parceria de Edmundo Souto e Paulinho Tapajós.

(0)


 




© 2017 - ArteVida – A vida sem a arte é insustentável – Blog do Tarlei Martins - todos os direitos reservados
Design: V1 Digital - desenvolvido em WordPress